O mérito não consiste em fazer nem em dar muito, mas, antes, em receber, em amar muito!
Bom Dia! São José dos Campos, quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
Por que um casal que vive junto, mas não é casado na Igreja, não pode ser padrinho de batismo?


08/07/2012

Os padrinhos de batismo ajudam os pais de uma criança na sua educação cristã, testemunhando para ela uma vivência de fé integral. Por isso, para ser padrinho ou madrinha de batismo a pessoa, além de ser católica praticante, deve ter recebido os sacramentos do Batismo, da Eucaristia e da Crisma, e vivê-los regularmente.
Para um casal que mora junto, solteiros ou em uma segunda união, falta a participação regular nos sacramentos da Confissão e da Eucaristia. Por essa razão a Igreja não aceita que tais casais sejam padrinhos de batismo, embora reconheça que muitas pessoas, nesta situação sejam bons cristãos que vivem seu compromisso de fé e testemunham muitos outros valores cristãos.
Quando um casal que mora junto e pode casar-se (porque suas partes são solteiras), é convidado para ser padrinho de batismo deveria ver nisso um sinal de Deus, chamando-o a regularizar sua situação. Mais do que pedir que a Igreja lhe abra uma exceção, deveria apressar-se em providenciar a santificação de sua união e fazer disso o primeiro e mais importante presente à criança que receberá como afilhada.
Quando se tratar de um casal em segunda união, os pais da criança nem devem convidá-lo e caso o façam, tal casal deve ser sincero e, dada sua situação, não aceitar o convite.

Pe. Edinei Evaldo Batista
Administrador Paroquial

 

Voltar

 
| Política de privacidade © 2010 Paróquia Santa Teresa do Menino Jesus. Todos os direitos reservados.